Deixe um comentário

Respiração (por Swami Satyananda)

Respiração

A respiração é um processo no qual nós raramente paramos para pensar. Ela ocorre automaticamente, sem que precisemos ter consciência disso. Entretanto, ao mesmo tempo é algo que a maioria das pessoas faz de forma incorreta. Se a respiração é uma função natural e espontânea do corpo, como se pode fazê-la incorretamente? A resposta é que a musculatura responsável pelo movimento da respiração tornou-se preguiçosa e deixou de propiciar um movimento de inalação e exalação adequados.

Toda nossa vida é inteiramente dependente da respiração. Se pararmos de respirar a vida imediatamente cessa no corpo. Vida e respiração estão intimamente conectadas. Lembre-se que, quando uma pessoa morre, dizemos que sua vida “expirou”, a mesma palavra usada para a expulsão do ar dos pulmões. É dito no Hatha Yoga Pradipika, texto ancestral do yoga:

“A vida é o período entre uma respiração e a seguinte; uma pessoa que respira pela metade, tem uma vida pela metade. Aquele que respira corretamente adquire controle sobre todo o ser.”

Os antigos iogues eram totalmente conscientes da importância da respiração; sem respiração, sem vida; respiração é vida.

No yoga diz-se que cada pessoa possui um número fixo de respirações na vida. Se ela respira lentamente então terá uma vida mais longa, uma vez que irá demorar mais a “gastar” sua cota de respirações. Se a pessoa respira rapidamente, a cota de respirações será gasta mais rapidamente, resultando numa vida mais curta. Aceitando ou não esta idéia, existe indubitavelmente uma grande parcela de verdade nisso. O ritmo acelerado da respiração é associado com tensão, medo, preocupação, etc, que levarão o indivíduo a ter problemas de saúde, insatisfação e naturalmente, uma vida mais curta. Uma pessoa que respira lentamente é relaxada, calma e feliz, gerando longevidade. Aquele que respira rapidamente tende a inalar pequena quantidade de ar e exalar a mesma pequena quantidade; isto irá favorecer o acúmulo de germes nas partes mais baixas dos pulmões. Ao contrário, aquele que respira mais lentamente tende a também respirar mais profundamente e consequentemente preencher os pulmões num nível mais profundo. Isto ajuda a remover o ar estagnado das partes mais baixas dos pulmões e a eliminar os germes. Há ainda outras razões para associar longevidade com respiração lenta. Por exemplo, a respiração profunda faz uma saudável massagem nos órgãos abdominais através do diafragma. Essa é uma função secundária e natural do processo respiratório que é normalmente pouco destacada. A massagem no fígado, estômago, etc, mantém estes órgãos em boas condições para poder expelir o sangue impuro e permitir que o sangue puro e oxigenado o substitua. A respiração superficial e curta não é capaz de fornecer aos órgãos internos a massagem que eles necessitam.  A respiração superficial e curta também não fornece oxigênio suficiente para o corpo. Isto causa distúrbios funcionais e males ligados aos sistemas digestivo, circulatório e nervoso, uma vez que a eficiência desses sistemas é completamente dependente de uma oxigenação eficiente.

A vida moderna nos desconecta do ritmo natural da vida. Nossas funções corporais e nosso modo de vida deveriam ser guiados pelos nossos ritmos internos e do ambiente que nos cerca. Em situações normais, nossos batimentos cardíacos e nossa respiração procuram harmonizar-se mutuamente numa perfeita cooperação.  Nossas vidas são determinadas pelo ritmo do amanhecer e do entardecer, assim como com o ritmo da lua e estrelas, num nível mais sutil. Assim como acontece com os animais e a natureza, nossas atividades deveriam ser determinadas pelo ritmo natural das coisas que nos circundam. Nós deveríamos estar em harmonia com o meio ambiente. Isso conduziria a uma vida saudável e feliz. Entretanto, a vida no mundo moderno, industrializado e materialista nos expurgou desses ciclos naturais. Por essa razão sofremos enfermidades e nos sentimos alienados de nosso meio ambiente. Este é um sentimento comum nas pessoas de hoje – eles não são capazes de relacionar-se com a vida ou com o ambiente que os cerca.

O que tudo isso tem a ver com respiração? Nos tempos antigos o homem era mais receptivo aos ritmos da natureza. Talvez não tivessem consciência de muitos deles, mas deixavam a vida fluir e se permitiam ser conduzidos pelo ritmo da natureza. Isto incluía também o processo respiratório. Não havia necessidade de considerar se estavam respirando corretamente ou não – seu modo de vida estava em sintonia com a natureza e era suficiente para assegurar que a respiração estava correta. Sua vida ativa estimulava os pulmões a trabalhar com a máxima eficiência, e sua tranquilidade estimulava a respiração correta ao invés de impor uma constante e artificial carga ao sistema respiratório, como faz o homem moderno. O medo, a competição e  a raiva não permitem ao sistema respiratório trabalhar como deveria. Nós respiramos rápida e superficialmente porque isso está em sintonia com a rapidez e superficialidade de nossa vida moderna. O meio que nos cerca não nos induz à uma respiração correta. É por essa razão que as pessoas de hoje são obrigadas a reaprender a respirar de forma correta. Elas têm de aprender o que deveria ser algo inato e natural e para isso devem reativar seus reflexos nervosos a fim de que sua respiração se torne normal e harmônica com a vida e a natureza. Pense em quantas doenças são causadas ou, no mínimo, agravadas por uma respiração incorreta? Asma, bronquite, tuberculose e um grande número de enfermidades são indiretamente causadas pela privação de uma nutrição de oxigênio adequada ao nosso corpo.

Capacidades Respiratórias

Uma pessoa parada e razoavelmente relaxada é capaz de inalar e exalar aproximadamente meio litro de ar (isto é chamado volume tidal em fisiologia) de cada vez. Porém, se a mesma pessoa expandir seu peito e abdome ao máximo possível e assim introduzir mais ar nos pulmões, ele será capaz de absorver uma quantidade extra de dois litros.  Esse volume extra de ar que pode ser inalado é chamado de volume de reserva inspiratória. Se após a expiração normal, o peito e o abdome forem contraídos ao máximo confortavelmente possível, então será possível expelir um litro e meio extras de ar dos pulmões, muito acima do meio litro normalmente exalado na respiração normal.  Essa quantidade é chamada de volume de reserva expiratória. Há ainda algum ar que permanece nos pulmões mesmo depois da exalação mais profunda. Isso acontece porque os pulmões não podem nunca ser totalmente esvaziados. Isto é conhecido como volume residual e é da ordem de aproximadamente um litro e meio.

Então, comparemos o volume normal da respiração com o máximo que pode ser respirado:

½ litro (volume tidal) + 2 litros (reserva inspiratória) + 1 ½ litros (reserva expiratória) = 4 litros.

Isso nos dá um total de 4 litros, o qual é oito vezes o volume normal da inspiração e expiração.

A maioria das pessoas enquanto paradas, respiram menos de meio litro de ar e consequentemente seus pulmões usam menos de um oitavo de sua capacidade. É por essa razão que aprender a respirar corretamente é tão importante.

(A Systematic Course in the Ancient Tantric Techniques of Yoga and Kriya – Swami Satyananda Saraswati –  tradução livre e adaptação de Ricardo Coelho)

VOLTAR AO INÍCIO

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: